ALYSSA BUSTAMANTE - Curiosidade pelo mal OS VÍDEOS MAIS BIZARROS DA INTERNET 5 CRIANÇAS DO SHOW DE HORRORES A MALDIÇÃO DA RESIDÊNCIA HILL

Trintão punk de São Paulo faz festa

Bandas punks do festival Fim do Mundo, Enfim... se reúnem no Sesc Pompeia; ao lado, a capa do LP que registrou o evento de 1982
De hoje a sábado, o festival que consolidou há 30 anos a cena punk paulistana é reeditado no mesmo lugar, o Sesc Pompeia. E repete alguns de seus protagonistas.
O Começo do Fim do Mundo --nome do festival de 1982-- se transforma agora em O Fim do Mundo, Enfim. Deveria trazer cinco das 20 bandas do evento original: Inocentes, Ratos de Porão, Lixomania, Cólera e Olho Seco. As três últimas, no entanto, estavam escaladas para tocar no domingo, em programação gratuita no espaço ao ar livre do Sesc, e essa apresentação foi cancelada ontem por decisão da Polícia Militar.

O motivo alegado foi uma possível superlotação que poderia oferecer risco à segurança do público. As bandas que tocariam no domingo farão shows no Sesc em maio. Além das veteranas Inocentes e Ratos, o festival convoca algumas formadas nas décadas seguintes: Garotos Podres, Os Excluídos, Flicts, Invasores de Cérebros, Questions, a recifense Devotos e a argentina Attaque 77. Criador do festival original, o escritor e jornalista Antonio Bivar também organiza a edição comemorativa. Tentou antes uma festa para os 20 anos, mas, na época, o Sesc não se mostrou interessado.
"Agora vamos relembrar um festival que fez história em São Paulo e que teve repercussão internacional. Saiu em fanzines punks pelo mundo, é claro, mas também no 'Washington Post'. Em 1981, depois de meses na Inglaterra, Bivar retornou ao Brasil e percebeu a força do punk local. "Vi energia, entusiasmo, revolta e humor", conta Bivar, que, na época, um disco e um filme chamaram a sua atenção.
O LP "Grito Suburbano", com músicas de Inocentes, Cólera e Olho Seco, foi o primeiro disco do punk brasileiro. E havia sido lançado "Garotos do Subúrbio", de Fernando Meirelles, documentário sobre os Inocentes. "O Sesc topou o projeto, e o Calegari, dos Inocentes, deu o título. Saímos atrás das bandas --e essa parte demorou", diz Bivar. A comunicação era às vezes feita por correio.
"Nunca tantas bandas de São Paulo e do ABC tocaram juntas. Era a primeira vez que havia um lugar acessível a todos os interessados", recorda Clemente (dos Inocentes).
No debate que abre hoje o evento, os efeitos do festival na cultura serão avaliados por integrantes da cena. "O punk é alternativo, não faz sucesso de massa, mas é uma cena sólida, que se renova e se sustenta", afirma Bivar, que espera uma plateia de todas as idades no festival.
Ele compara o festival ao movimento modernista de 1922. "Foram coisas pequenas que depois cresceram em seus efeitos na cidade."

Nenhum comentário:

Postar um comentário